sábado, 24 de fevereiro de 2018

Jogo da Vida



A vida é um jogo com duas torneiras, de respostas quentes e frias, de vitórias e aprendizagens, de humildade ou covardia... Tudo é um jogo, de missões e níveis, em que não devemos deixar nos ficar para trás. As missões deverão ser rotinas aleatórias, pausas e ações, mas nunca repetições. Ninguém te vai parar, o máximo que pode acontecer, é alguém assumir a tua subconsciencia e escolher a torneira do jogo que tu vais ter que superar. O jogo da vida é mesmo assim, quebra sonhos e cria distúrbios, temos de nos adaptar a cada um deles, da forma mais acertada possível.
A verdade é que a minha missão, era salvar um copo de paixão, no entanto o vidro que o forma estalou,  e aí eu percebi que aquilo que continha ficou em perigo, seriamente em perigo. Quantas vezes eu já criei barreiras? Quantas vezes eu não o tentei proteger de tudo? Não foi suficiente, ao primeiro assalto ele foi se,  sensível demais... Tinha mesmo que acontecer, estava destinado a isso, contudo, eu não estava propriamente preparado para este dia, nem para todos os últimos, não tão cedo.... Não estava preparado para sentir o risco que eu por um lado esperava. Olho à minha volta e sinto me uma vírgula no meio destas palavras todas, achas bem o que me fizeste? Ficou frio demais para estar aqui ou em qualquer lado. Hoje, eu escolhi tirar o dia para mim, desligado por completo de toda gente, como se fosse só eu e a natureza. Senti que as regras do meu jogo estão atualmente definidas de injustiças, isso revolta me, revolta me mesmo! Vim até aqui, procurar uma solução para a minha missão, para os meus objetivos... Vim basicamente organizar as minhas ideias e estratégias para o que aí vem. Vim exigir de mim um equilíbrio entre as vitórias e as aprendizagens, porque eu sei, eu sei mesmo que mereço. Por momentos, eu pergunto para mim próprio o que estou aqui a fazer, porquê que eu cheguei a este ponto, sem que ninguém fizesse nada por isso, porquê? São respostas, que ninguém consegue dar. Uma vez que os espaços voltaram a fechar se para as certezas, vou lavar aquilo que me dói. Chegou a hora de não aceitar ser uma vírgula no meio disto tudo e sim um ponto, um ponto final! Vou escrever te a ti, a mim, e todas as minhas imaginações num papel, e atira lo ao mar... 

Sem comentários:

Enviar um comentário