sábado, 17 de fevereiro de 2018

Nota Positiva?

O mundo inteiro por vezes cai nos ombros, e não há espaço que chegue para proibir o cansaço. Contudo, o peso quando é tanto, a rotina é quase como uma roda com cantos, não anda com uma sequência lógica, roda aos saltos, violentos e insuportáveis. O segredo, é não deixar que a incerteza seja dominada pelo poder de um olhar. Quando isso acontece, mesmo que seja por um determinado curto espaço de tempo, não dá sequer para fazer de conta que a estabilidade existe. Embora afetado, com atitude à mistura, com a devida declaração feita, nasceu uma estabilidade, que é impensável considerar nota totalmente positiva. Eu gostava e quero prever um futuro mais seguro, quero encontrar me melhor e perceber em que fase é que eu me perdi.
 Por volta desta altura, em que cai a noite, precisamente no momento em que tento desligar, a pressão multiplica-se e os batimentos aceleram, e é lógico, fácil de perceber que não vai ser de outra forma nos próximos tempos, vou sempre continuar a ligar me aquilo que tento abstrair me durante o dia. Não há cansaço que combata essa guerra, são mesmo muitos pensamentos e conclusões, que eu penso ser tão decididas e fixas, que na verdade dá a ideia que variam a cada milésimo. Sem voltar atrás nas escolhas que fiz, creio que estou um pouco melhor posicionado na minha tristeza. Agora, os silêncios já se vão esgotando e surgiu mais espaço para certezas, que ainda são tão poucas. A verdade é que, custa me tanto acreditar que aquilo que os meus sonhos  acordados me ditam, seja uma mentira... Eu não saber o que esperar da origem disto tudo, e como saber reagir ao que tem de ser. Acima de tudo, custa ainda mais partilhar o mesmo espaço, poucos metros, com a pessoa que mora em mim, e quase que fingir que isso nem acontece. Eu imploro que a minha ligação interna se mantenha controlada o suficiente para que os meus olhos não me abalam o estômago, muito menos a mente e ainda menos que chegue ainda mais ao coração. Tirando isso, o que tiver de ser será, e nunca será totalmente mau se não for feito como deve, de forma verdadeira e justa.
Só quando somos levados até a um pico da vida mais escuro, é que percebemos o quanto saudável podemos estar sós. Não é burrice analisar dessa forma, embora eu tenho noção de que é lógico que para ser possível saborear o verdadeiro sabor da felicidade, é preciso mais do que uma vida de coração vazio, é preciso abrir uma porta na hora certa, para que o interior seja preenchido... Para isso, é preciso melhores respostas, é preciso que haja correspondência, que as vidas se cruzem e sentimentos se misturem, caso contrário, a recuperação pode custar muito mais caro do que posso prever. Neste momento, mesmo com o pé que eu deixo quilómetros atrás, todos os dias, eu só receio que o destino não me surpreenda e que este desconforto vire ainda mais rotina e intenso, por muito tempo. 

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Tiro certeiro

Planeamento falhado, como já não vinha a prever, mesmo deixando um pé em casa e outro perto de ti. O que é verdade, é que houve um tiro e esse mesmo, não me passou ao lado, de todo. Atingiu-me e escorre me bocadinhos de ti por todo lado. Será que é desta vez que me largas? Será que é desta que me deixas ir à minha vida? Eu não te procurei tanto assim, não alimentei tanto sentimento para me fazeres isto. Não posso viver uma vida a fugir das minhas quebras, eu vim ao mundo para aprender e só fechar os olhos para intenções que não vão para além de derrotas. Depois, eu pergunto me, que regresso é este? Fruto do instante que não reagi, agora estou me a deitar e conto para ninguém, tudo o que colhi desde o local de onde partiu a bala, até me atingir. A chuva que me caiu naquele momento, molhou me tanto a alma que eu julguei que estava mais na esplanada do que propriamente numa cave.  Até deu para sorrir de cansado, destroçado, sinceramente deu. Assumi o desgaste, já nem sinto as pernas, já quase nem para  carregar numa porcaria de uma embraiagem eu tenho sensibilidade. Era este o fim do quase início que previa? Não, não era, mas foi o meu sinal mais claro, depois de todo meu pessimismo me ter já contado tantas vezes, mas tantas vezes. Eu sei que não tens culpa, eu sei que nem uma única página fiz-te chegar, mas em relação a essa atitude, eu opto por uma opção cega e egoísta. Tinha tudo pronto, tinha os planos feitos, mas a ocasião segurou me e eu senti me incapaz de encara la. Não o posso fazer de outra forma, porque se eu quiser acreditar que o destino te trouxe até mim, devo primeiramente saber que nos momentos em que eu ia avançar, ele tirou me o chão, e isso sim, foram mais do que sinais. 

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Luta Interna

Praticamente impensável atravessar o muro que nos afasta, que apesar de estarmos tão perto um do outro, ele faz toda questão de nos separar. É todo ele frio como um cubo de gelo e rijo como pedra, formado por proibições que me consomem o raciocínio todo santo dia. Eu deveria deixar que a vitória fosse dele, devia, mas vejo-o quase como uma rocha na praia, que quando a maré está baixa, ela é toda visível e quando a maré sobe, desaparece, como se não existisse nada, no entanto, existe. O que acontece na realidade, é um pouco por aí, nunca deixou de existir o muro que nos separa mas por vezes é ocultado, eu oculto. Fará isso algum sentido? Salvará alguma dor? Preencherá algum vazio?
Não, e hoje, 14 de Fevereiro, era particularmente aquele dia que eu gostava de pegar no carro, e destruir esse muro,  ou gostava de,  pelo menos, escala lo para te ver. Não é que seja ganho nenhum, é só uma luta interna, entre a minha consciência e o meu coração inconformado. O objetivo que eu tracei inicialmente, foi uma fuga, quase como um derrotado que nunca sequer entrou na corrida, e até ao momento, com um relativo sucesso, embora com uma pressão infernal. Uma pressão feita pela percentagem mínima de sentimento mútuo, que apesar da minha consciência afirmar que o mar engoliu essa possibilidade, o meu coração defende que tudo aquilo que o mar não quer, ele devolve. Só queria ter a certeza que, pelo menos viste um muro à tua maneira, e que, pelo menos me lês te, só isso. 

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Banho de saudade

Terei eu sido normal demais nas oportunidades que tive? Que eu nem sabia bem o seu valor, nem tão pouco que se tratavam de oportunidades para mim. Atualmente, saiu à rua como um inconsciente sobre efeito da droga, relativamente perdido por instantes compulsivos, e cada vez que me encontro, percebo que se trata de uma dose que devia ter sido tomada a dois, e eu decidi tomar sozinho. Esses efeitos fazem com que aquilo que eu sinta se resuma a uma sensação muito estranha, de quem procura uma saída e ao mesmo tempo volta a entrar, quase como quem foge e vai ao encontro. Precisamente como o sucedido de hoje, no local e na hora mais improvável de sempre. Poderei chamar lhe de quê? Ressaca? Ironia do destino? Creio que, resta me acreditar no que parece mais verídico, resta me acreditar que hoje foi o reflexo deste tempo todo. Apareceste me novamente à frente, e eu bloqueei, nem me viste na verdade, pelo menos foi o que deu a entender. Dei por mim, a revirar os olhos, a prever uma manhã atordoada e a tomar um banho de saudade e confusão.  O resumo da história em si, passa um pouco por aí, vivi os acontecimentos sozinho. Neste momento, não sei se me viste, não sei se me lês, nem sequer sei se ainda sabes o meu nome, neste e em todos os outros momentos para ser sincero. No entanto, se calhar é melhor conformar me, e que assim seja, pois dificilmente aquilo que para mim faz sentido, irá fazer para ti também, quanto mais eu ainda pensar que os sonhos se possam vir a cruzar, ou que pelo menos, tenhas percebido toda esta saudade de te ver.